Leutasch – Prutz

97km, 2.350m de altitude acumulada
11h05min de tempo total de percurso

TransAlp 2015 _ dia 2 copy

O dia chuvoso começou com uma escalada de categoria 4 seguida de uma longa descida: mais de 600 m de desnível até cruzarmos a pequena cidade de Telfs. Em seguida, passamos por um dos maiores desafios da viagem: valorizando trechos off-road, o sistema de navegação nos jogou para o alto de uma imensa montanha que circundava a cidade.

Foi uma escalada dura, acumulando quase 400 m de altitude em apenas 6 km, uma subida de categoria 2 em uma trilha úmida. Em determinado ponto, uma placa marcava o “fim da trilha”, nos obrigando a carregar as bicicletas morro acima até reencontrar um trecho pedalável. Em alguns momentos a combinação de alta montanha com tempo nublado e chuvoso confundia o GPS e não achávamos o caminho. Após derrapar em uma poça de lama, perdi contato visual com o resto do grupo antes de uma bifurcação e precisamos nos falar por telefone para reencontrar. E a trilha seguia… No total, foram 14 km atravessando a montanha, finalizados com um desvio de 5 km adicionais numa rodovia após uma indicação (humana) errada.

Esta montanha nos custou um preço alto. Só paramos para almoçar às 15 h, com apenas 35 km percorridos. Foram 5 h para vencer um terço da meta do dia. Ainda teríamos mais de 60 km e 1.500 m de altitude pela frente. Muito cansados, sujos, molhados e com frio, consideramos seriamente desistir do trecho restante. Mas, parcialmente recuperados após 1 h 30 min de descanso, resolvemos ir em frente.

Embora em aclive constante, dali em diante o percurso não teve mais nada de hostil, percorrendo um longo vale ao lado do rio Inn e atravessando diversas pequenas e simpáticas cidades alpinas. Quase 10 horas após a partida e com 75 km pedalados, fizemos uma rápida pausa ao lado de ruínas da Via Claudia Augusta original, pouco antes de Landeck, a última cidade antes do nosso destino.

Já anoitecia. Consumido pelos esforços excessivos do início do dia, me sentia no limite, à beira de uma crise (física e emocional) pela fadiga. Precisei me recompor e buscar forças para percorrer o trecho final. Ainda levamos uma hora para vencer os últimos 15 km. Exaustos, chegamos ao hotel quase às 21 h, para um reconfortante jantar com o restante da família.

Join the discussion One Comment

  • Tomaz Bueno diz:

    Fiquei sem fôlego só de ler…. Rs
    O GPS era do celular, né?
    Eu tbm uso o de celular, nessas horas faz falta um GPS offroad dedicado.

Leave a Reply